Projeto Sossego

 

Empreendimento: Projeto Sossego

Cliente: Mineração Serra do Sossego/Companhia Vale do Rio Doce

Localização: Canaã dos Carajás - PA

Data: 2001/2004

Quantidade de Homens x Hora: 340.000 Hxh

Valor estimado do empreendimento: US$413 milhões

Serviços Prestados:

A RBM mobilizou entre set 2001 e mar 2004, uma equipe média de 65 profissionais para execução do gerenciamento do Projeto Sossego, compreendendo todas as atividades inerentes à supervisão e fiscalização do detalhamento de projetos eletromecânicos, de automação, civis, de infraestrutura, fiscalização de qualidade e quantidades das obras e montagens, suprimentos, com elaboração de editais, análise de propostas, compra, diligenciamento e operação de almoxarifado. Atividades ligadas a finanças, controle, contabilidade, orçamento e custos, medição, controle jurídico, arquivo técnico e apoio administrativo.

O projeto Sossego é um empreendimento, destinado ao beneficiamento de minério de cobre. As instalações do projeto estão situadas no estado do Pará, onde estão localizadas a Mina, a Usina de Beneficiamento e o Terminal Ferroviário de Embarque, e no estado do Maranhão, onde está situado o Terminal Marítimo no Porto de Itaqui em São Luís.

O projeto Sossego processa 15.000.000 t/ano de minério, com teor médio de cobre de 1%, e produz, aproximadamente, 467.000 t/ano de concentrado, com teor de 30% de cobre.

As reservas lavráveis da Mina garantem 15 anos de produção de concentrado de cobre, sendo as instalações de beneficiamento do minério constituídas, basicamente, de:

• Britagem primária em britador primário;

• Transporte de minério britado em transportadores de longa distância, com total de 4 km de comprimento;

• Moagem primária em moinho SAG, de 38' x 21' e 20 MW de potência instalada;

• Moagem secundária em dois moinhos de bolas, de 22' x 31,5' e 8,5 MW de potência instalada por moinho;

• Duas linhas de bombeamento de polpa para fechamento de circuito de moagem secundária em bombas de polpa 550 MMC, de 1.250 KW de potência por bomba;

• Rebritagem em dois rebritadores de cone;

• Flotação em 20 células mecânicas convencionais de 160 m³ e 6 colunas;

• Remoagem em moinhos verticais;

• Filtragem em dois filtros prensa verticais;

• Terminal ferroviário de embarque de concentrado com 70 vagões;

• Linha de transmissão de energia elétrica em 230 KV, com 82 km de extensão.

As instalações contam com sistemas de captação de água na Barragem de Rejeitos e no Rio Parauapebas, unidades de apoio tais como: escritórios, oficinas, almoxarifado, estocagem e abastecimento de óleo diesel, fabricação e estocagem de explosivos, dentre outras.

Além das unidades de produção foram implantados 90 km de estradas asfaltadas, bairro residencial com 100 casas para a equipe de operação, alojamentos para 500 pessoas, terminal rodo-ferroviário em Parauapebas, e terminal ferroviário-portuário em São Luís - MA.

Para a implantação do projeto foram gastos em torno de 57.500 m³ de concreto armado, foram montadas, aproximadamente, 6.600 ton de estruturas metálicas e 3.500 ton de tubulações. Além disso, foram lançados 510.000 m de cabos de força, controle e instrumentação.

O projeto possui moderno sistema de controle centralizado do processo, com os mais modernos instrumentos de monitoramento e controle, tais como: sistema "split" para o monitoramento da granulometria do minério durante os processos de cominuição (britagem primária e rebritagem), "psi" (particle size indicator), para o monitoramento e controle do tamanho do produto da moagem, sistema de amostragem on-line na flotação, para o controle em tempo real do teor de cobre do minério, dentre outros instrumentos, cuja soma se aproxima de 2.500 unidades.